I Workshop Saúde Digital: segurança de dados

O médico hoje tem uma resistência enorme em compartilhar informações eletrônicas de seus pacientes com outros especialistas ou profissionais da Saúde. E com razão, afinal, ele detém dados sensíveis de seus respectivos pacientes. Dependendo de quem tem acesso a estas informações, pode fazer mau uso delas.

Entretanto, com as transformações tecnológicas cada vez mais evoluídas no mundo, contamos atualmente com softwares altamente seguros. Assim, as ferramentas avançadas protegem os documentos daqueles que não podem ter acesso.

Também temos a legislação brasileira que resguarda os direitos dos pacientes. O próprio Conselho Federal de Medicina, em parceria com a Sociedade Brasileira de Informática em Saúde (SBIS), possui uma resolução normativa (Resolução CFM 1821/2007) que certifica os softwares que adotam todos os requisitos necessários de segurança.

Ou seja, o País, amparado por normas, acompanha a tendência mundial de implementação de rontuários eletrônicos, de forma que haja uma facilidade de compartilhamento dos dados entre médicos, profissionais da Saúde, hospitais e laboratórios.

Nós da Associação Paulista de Medicina apoiamos esse modelo e queremos incentivar os médicos a utilizarem esse critério, com plena proteção. Como projeto piloto, a entidade é parceira na iniciativa da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) na adoção de uma plataforma digital que unifica os dados do paciente idoso, com nível de segurança similar a dos bancos.

Para tanto, com esse primeiro workshop, a entidade promove discussão sobre a segurança de compartilhamento de dados da saúde na rede. O evento conta com a presença de renomados especialistas na área de segurança da informação, atuantes em empresas de tecnologia e de consultoria, além de representantes do segmento de certificados digitais e advogados especializados no meio tecnológico.

Com as experiências e casos explanados, acreditamos que as principais lideranças médicas do Brasil possam sanar todas as dúvidas a respeito do tema. A partir daí, esperamos contar com uma aderência maior do médico nesses sistemas de informação, para que seus pacientes possam utilizar melhor os recursos de saúde disponíveis.
* Veja projeto revolucionário que a Associação Paulista de Medicina lançará para melhorar a assistência ao idoso ao termino desse e-mail

Programação
8h30 – Abertura
Dr. Florisval Meinão Presidente da Associação Paulista de Medicina

9h10
Apresentação dos Projetos RES (Registro Eletrônico de Saúde ) e Idoso Bem Cuidado

Palestrantes: 
Dr. Antonio Carlos Endrigo
Diretor de Tecnologia da Informação da Associação Paulista de Medicina
Martha Oliveira
Diretora de Desenvolvimento Setorial da Associação Nacional de Saúde (ANS)

9h25
Debate

9h30 – 10h25
Painel –  Hackers mais ativos, combate mais efetivo.

Como vem evoluindo a área de segurança de dados do ponto de vista de fornecedores de grandes empresas? A importância da nuvem nesse cenário, como ela pode ser protegida? Quais as garantias que a indústria de segurança pode dar a seus usuários? É mais importante medidas preventivas ou ter soluções de respostas rápidas em caso de ataque? Ramsoware, o que representam?
Palestrantes: 
Cláudio Silotto –  Engenheiro de Vendas Intel Security / McAfee
Cristiano Lincoln – CEO Tempest
Leando Augusto – Sócio KPMG
Marcos de Oliveira – General Manager Blue Coat
Rodrigo Suzuki – Head de Segurança da Informação e Continuidade de Negócios da   promonLogicalis

10h20 – Debate

10h25 – 10h40
Apresentação  Case – Dados sensíveis, como protegê-los?

A experiência de uma instituição financeira com a segurança de dados sensíveis.
Palestrante:
Marcelo Câmara – Gerente de Inovação em Segurança do Bradesco

10h40 Coffe Break
10h55 – 11h50
Painel: Evolução tecnológica, aliada da saúde?
Como as tecnologias mais avançadas de computação cognitiva e de Big Data podem ajudar na análise de um grande volume de dados em pouco tempo e favorecer um diagnóstico mais rápido? Como o compartilhamento dessas informações pode colaborar para uma biblioteca de informações mais rica sobre determinados temas? Como os sensores e wearables podem ajudar no monitoramento dos pacientes e de doenças crônicas? E a Internet das Coisas?
Palestrantes:
Eduardo Cipriani –  Líder de Watson Health no Brasil – IBM
Lincoln Assis de Moura Jr – Equipe de Saúde da Accenture .
Marcelo Santos – Cientista da Philips Research
Rildo de Oliveira –  Networking Solutions Architect Manager HPE

11h50 – 12h45
Saúde, um ecossistema protegido?

Como está sendo feita a segurança de dados na área da saúde? Quais os pontos importantes que precisam ser levados em consideração em cada caso, dos hospitais aos planos de saúde?
Palestrantes:
Marco Gutierrez   CIO do Incor
Ricardo Santoro – CIO do Einstein
Marcio Biczyk –  GIS/Tecnologia da Informação da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo e Membro do Conselho Estadual de Tecnologia e Comunicação (Coetic)
Renato Basto – Gerente de Segurança da informação do Grupo Fleury.
Vladimir Ribeiro Pinto Pizzo – Gerente de  Informática Clinica do Hospital Sírio-Libanês.

12h45 – 13h
O Direito Digital

Palestrante:
Renato Opice Blum – Sócio do escritório Opice Blum Advogados Associados e Coordenador do Programa de Direito Digital do Insper

13h – 14h30
Almoço preparado por Lorenzo Raviolli, vencedor do MasterChef Júnior Brasil

14h30 – 14h45
A importância da certificação digital

Palestrante:
Vinicius Vieira de Souza – Sócio fundador da Soluti
Cassiano Ricardo Garcia – Gerente de Soluções – Plataforms and Service Delivery da Gemalto

14h45 – 15h
Portal Projeto Idoso Bem Cuidado na prática

Palestrante:  
José Tarcísio Feitosa – Auditor Médico Especialista em Provimento de Saúde e Coordenador Clínico do Registro Eletrônico de Saúde da Unimed Ceará

15h –15h20
O futuro digital
Palestrante:  
Ethevaldo Siqueira – Comentarista Rádio CBN
* Programação sujeita a alterações.

Quando
Data: 28 de abril de 2017
Horário: 7h30 às 16h
Local: Auditório Nobre APM, avenida Brigadeiro Luiz Antonio, 278
Inscrições gratuitas
http://associacaopaulistamedicina.org.br/atualizacao-medica/eventos/i-workshop-saude-digital-seguranca-de-dados

Idoso Bem Cuidado – Projeto integra dados eletrônicos da Saúde
APM é parceira na iniciativa da ANS que racionaliza os gastos e otimiza o tratamento de pacientes por meio da unificação dos dados em uma plataforma digital, com nível de segurança da informação similar a dos bancos

Visando promover um cuidado totalmente integrado e com maior resolubilidade – por meio do compartilhamento de dados entre os profissionais da Saúde – que permite otimizar os custos de saúde e racionalizar o fluxo de atendimento, a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), em parceria com a Associação Paulista de Medicina, prepara o lançamento do projeto Idoso Bem Cuidado, que começou a ser discutido em abril de 2016. Trata-se da centralização das principais informações de saúde dos idosos em um sistema eletrônico que facilita o acesso de profissionais em toda a rede privada, com segurança máxima e permissão do paciente.

“Sabemos que o idoso é um tipo de beneficiário que consome muitos recursos da Saúde, com histórico médico em geral muito grande e que, geralmente, está desorganizado. O paciente eventualmente passa por diversos especialistas, porém, muitas vezes, eles não conversam nem compartilham informações. Em outros casos, o médico precisa de uma informação específica de um exame que o idoso não levou para a consulta, por exemplo. Ou seja, quando não se tem toda a relação de dados, o prejudicado pode ser o próprio usuário, que não terá o tratamento completo, com a rapidez adequada”, explica o diretor de Tecnologia de Informação da APM, Antônio Carlos Endrigo.

No programa Idoso Bem Cuidado, cabe à Associação Paulista de Medicina desenvolver o portal e o aplicativo com as informações mínimas de saúde do idoso e sensibilizar os médicos sobre a importância de utilização do registro eletrônico compartilhado.

“O médico tem uma resistência grande em dividir informações, e com razão, porque ele lida com dados sensíveis dos pacientes. Entretanto, hoje há sistemas de informação com softwares altamente seguros. E o próprio paciente, nesse caso o idoso, definirá quais os profissionais que poderão ter acesso às informações e a qual conteúdo”, reitera Endrigo.

O Conselho Federal de Medicina, em parceria com a Sociedade Brasileira de Informática em Saúde (SBIS), publicou uma resolução normativa que certifica os softwares que adotam todos os requisitos necessários de segurança.

Parceria e piloto
A preocupação com a inovação tecnológica, a estreita relação com seus associados e o empenho da APM em participar dos projetos da ANS – sendo uma das intuições mais presentes nos grupos de discussões promovidos pela Agência – foram decisivos, segundo o diretor de TI, para a parceria nessa iniciativa.

A Associação Paulista de Medicina assinou um termo de compromisso com o órgão regulador comprometendo-se a organizar um grupo de trabalho com empresas vinculadas ao ramo da tecnologia para o desenvolvimento do ambiente tecnológico. Na plataforma, estarão todas as informações do paciente que poderão ser compartilhadas entre serviços médicos, hospitais, laboratórios e outros profissionais da Saúde. Acredita-se que mais de mil idosos participarão dos testes, número suficiente para análise.

A ideia é que, no momento de espera da consulta, o paciente receba um comunicado por celular via SMS pedindo autorização para que haja transferência de suas informações para o outro especialista médico ou demais profissionais da Saúde. Se disser sim, automaticamente os dados resumidos de consultas anteriores vão para o prontuário do especialista.

Ao todo, 100 instituições se inscreveram para participar voluntariamente do projeto piloto para implementação do modelo de atendimento. Dessas, a ANS selecionou 50 operadoras e 14 prestadores de serviços em todo o País, cujas propostas são focadas, sobretudo, na atenção básica e no atendimento primário do idoso. A conclusão do piloto está prevista até o começo do próximo semestre.

O Idoso Bem Cuidado se baseia em projetos bem-sucedidos como o ‘Parto adequado’, implantado em 2015, uma iniciativa conjunta entre ANS, Hospital Albert Einstein e Institute for Healthcare Improvement, com apoio do Ministério da Saúde, que favoreceu a redução de cesarianas sem indicação clínica ou possíveis casos adversos. A Caderneta de Saúde da Pessoa Idosa e o Portal de Saúde do Cidadão, ambos do Sistema Único de Saúde, também serviram de inspiração.

O futuro almejado é unificar as plataformas pública e particular de informação, segundo o diretor de TI, e estender para outras áreas de atendimento, como a pediatria etc.