Tecnologia é uma das ferramentas para a segurança feminina

Aplicativo desenvolvido por empresa pernambucana ajuda no combate à violência e também no registro de estupros que, em sua maioria, não é informado às autoridades pela vítima por medo, vergonha ou outros motivos.
Segundo o Anuário Brasileiro da Segurança Pública, este crime diminuiu 10%, porém há uma nova vítima a cada 11 minutos.

Nos últimos anos, a segurança pública vem se tornando um dos assuntos de maior relevância das esferas federal, estaduais e municipais, sobretudo no que diz respeito à proteção à mulher. E os números comprovam tal preocupação. De acordo com dados do “10º Anuário Brasileiro da Segurança Pública” divulgados na quinta (3) pelo Fórum Brasileiro da Segurança Pública, em 2015, foram notificados 45.460 estupros, uma taxa de 22,2 casos por 100 mil habitantes.

Ainda segundo o estudo, em média, no ano passado, houve um estupro a cada onze 11 minutos e 33 segundos, ou seja, pouco mais de cinco pessoas estupradas por hora. Apesar de ter apresentado uma redução de quase 10% em relação a 2014 (50.438 casos e taxa de 24,9 por 100 mil), ainda há muito que se fazer. “O poder público vem mostrando comprometimento para reduzir os casos de violência tanto nas grandes cidades brasileiras, quanto nos municípios do interior, cujos casos crescem. Contudo, cada vez mais, o engajamento da população tem se tornado fundamental para também ajudar a combater este problema”, ressalta o sócio-fundador da Mooh Tech, Everton Cruz.

No entanto, Cruz observa que o crime de estupro apresenta a maior taxa de subnotificação no mundo. “Não há como saber se, de fato, houve uma redução da incidência deste tipo de crime, uma vez que, por diversas razões, as vítimas não o registram. E, neste contexto, a tecnologia, por meio da criação de ferramentas, se mostra como uma grande aliada para registrá-los e, sobretudo, contribuir para resolvê-los”, afirma.

É o caso do Sempre Alerta, aplicativo desenvolvido pela empresa pernambucana Mooh Tech. A ferramenta funciona como um chat entre o usuário e uma central de atendimento, que, por sua vez, é controlada pelo órgão responsável pela segurança na cidade ou região. “Instantaneamente, esta central recebe o alerta, que pode ser realizado por mensagens de texto, imagens ou vídeo, semelhante a outros aplicativos de trocas de mensagens. Ela o repassa às unidades destacadas que, por sua vez, devem averiguar a ocorrência. O feedback é dado em tempo real aos usuários, cuja localização é feita de forma imediata via GPS do aparelho”, explica o cofundador da Mooh Tech, Henrique Mafra.

NÚMEROS

Por enquanto, o Sempre Alerta está disponível em Belo Jardim, Pesqueira, Lajedo, Sanharó, Poção e Capoeiras, no interior pernambucano. “Estamos em negociação para firmar uma parceria com o Governo de Pernambuco para, no prazo de três anos, garantirmos a implementação da ferramenta em todas as cidades pernambucanas. Em breve, pretendemos expandir nossa atuação para os estados da Paraíba, Alagoas e Bahia e, posteriormente, chegar a outras regiões do país”, informa Cruz. “Os primeiros meses de funcionamento superaram as nossas expectativas. A população tem respondido positivamente a esta inovação, cuja realidade se tornou possível devido a uma parceria com o ‘15° Batalhão da Polícia Militar’ de Belo Jardim. Até o momento, não houve nenhum registro de trotes na plataforma. Isso demonstra o entendimento da população sobre a importância do aplicativo”, complementa.

A princípio, o aplicativo está disponível apenas para a plataforma Android, mas, em breve, também poderá ser baixado via iOS e Windows Phone. “Desde sua implementação na cidade de Belo Jardim, em agosto deste ano, já foram realizados, aproximadamente, dez mil downloads, pouco mais de 800 casos foram abertos, um caso de estupro em investigação – corre em segredo de justiça por se tratar de uma menor –, foram evitadas cinco tentativas de assalto e 188 aparelhos celulares recuperados”, informa Cruz.

Ele explica o desejo é tornar Pernambuco o estado mais seguro do país e, com isso, mostrar que é possível combater a violência com o uso da tecnologia. “Por meio da implantação do conceito de cidades inteligentes em todo país será possível redefinir a arquitetura das relações entre o poder público e a sociedade em qualquer parte do Brasil. Este novo modo de supervisão surge como uma possibilidade de transformação sobre como o policiamento e a segurança da população vêm sendo realizados”, finaliza Everton Cruz.

 

Sobre a Mooh Tech

Com sede no Recife (PE), é uma empresa voltada ao ramo de desenvolvimento de tecnologia e softwares e o seu primeiro produto traz um novo conceito de segurança para as chamadas “Cidades Inteligentes”, lugares onde a prefeitura, em parceria com a população e a polícia, mantém redes integradas de comunicação, de modo a agilizar os processos e garantir uma maior segurança.

www.moohtech.com