Startups são selecionadas para novo ciclo do InovAtiva

De brinquedos a aeronáutica, finalistas do programa destacam oportunidade de acesso a mentorias e cursos.

O resultado divulgado na segunda-feira (20) das 300 startups selecionadas para a primeira etapa do programa InovAtiva, realizado pelo Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC) e o Sebrae, mostrou entre os vencedores desta fase uma predominância de projetos apresentados por empresas dos estados de São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro e Santa Catarina. Foram escolhidos projetos de pesquisa que envolvem desde sites para trocas de brinquedos aos setores de aeronáutica, agronegócios, indústria da moda, automobilística e de alimentação, entre outros segmentos.

A divulgação, feita pelo site do programa (www.inovativabrasil.com.br), deixou entusiasmados vários dos responsáveis por essas startups. Um deles, o empresário Michel Constantino, da Kernel Engenharia, de Belo Horizonte (MG), contou que os pequenos negócios brasileiros precisam desse tipo de estímulo. Com o nome de AviaThinks, o protótipo desenvolvido pela empresa de Michel consiste em uma estação meteorológica que vai subsidiar informações em tempo real sobre as condições climáticas durante viagens de aeronaves de pequeno porte em voos feitos entre municípios do interior. A ideia surgiu quando o empresário, que fez curso de engenharia de automação e, em paralelo, trabalhou como piloto de helicópteros, percebeu as dificuldades que as aeronaves encontram para sobrevoar essas áreas.

“Hoje, empresas como a nossa trabalham muito com manutenção de máquinas. Desenvolver um produto novo para uma área como a aeronáutica é um grande passo, principalmente com esse apoio que estamos recebendo”, afirmou Michel. Em São José dos Campos (SP), o engenheiro eletrônico Sérgio Miranda tem experiência parecida. O projeto de sua autoria, intitulado Baliza Fácil, também entre os selecionados, consiste em um aplicativo com orientações e medições que permitem aos motoristas fazerem baliza com precisão. Segundo Miranda, a pesquisa já está em fase de tes tes, mas precisa de aporte para ser aprimorada e de orientações para que o produto possa ser oferecido no mercado. “Programas como esse ajudam a firmar as startups no mercado”, destacou.

Em outro segmento, também chamam a atenção projetos voltados para a área de tecnologia da informação, como o site Brincou, Ganhou. Autor do projeto, Daniel Pinho afirmou que a ideia é possibilitar que pais e responsáveis por crianças economizem com a troca de brinquedos que filhos, netos e sobrinhos costumam deixar de lado. Os brinquedos são oferecidos mediante o estabelecimento de uma moeda virtual e conforme critérios de qualidade e estado de conservação. Criado em 2015, o negócio consegue fazer uma troca por dia. “Nosso propósito com essa seleção é participar das mentorias do Sebrae e receber a qualificação e orientação adequada por parte dos eventos a serem oferecidos ao longo do programa”, disse.

Este ano, o InovAtiva Brasil recebeu 1.793 inscrições e selecionou 300 startups para serem aceleradas no ciclo deste semestre. “O InovAtiva traz uma série de impactos positivos para as empresas participantes, que têm a oportunidade de acessar mentorias, cursos hackatons, piths, aproximando-se dos diversos atores desse ecossistema. Esses resultados podem ser percebidos pela conquista de novos mercados, aumento de faturamento e valorização de suas marcas”, destacou a diretora técnica do Sebrae, Heloisa Menezes. O programa foi implantado em 2013 pelo MDIC. Em parceria do Sebrae, oferec e capacitação em empreendedorismo inovador, por meio de cursos gratuitos; acesso a mentores nacionais e internacionais; conexão com possíveis parceiros, investidores e grandes empresas, e outras atividades.