Mulheres anfitriãs ganham mais de US$ 10 bilhões com o Airbnb

As mulheres conquistaram grandes avanços econômicos e profissionais nos últimos anos, mas ainda existem obstáculos significativos para atingirmos a igualdade entre os gêneros.

A diferença de remuneração continua sendo um fato e as pesquisas indicam que, embora a porcentagem de mulheres na força de trabalho tenha aumentado drasticamente nas últimas décadas, espera-se que esse crescimento estabilize ou até que se inverta nos próximos 40 anos.

O Airbnb não tem a pretensão de enfrentar sozinho os muitos obstáculos enfrentados pelas mulheres em todo o mundo. Mas a plataforma é alimentada por uma crescente comunidade global de mulheres anfitriãs que tem superado em número os homens ao redor do mundo.

A ONU Mulheres tem apontado a economia compartilhada como uma ferramenta de empoderamento feminino. Desde a criação do Airbnb em 2008, nossa comunidade tem sido pioneira no desenvolvimento deste modelo de negócio globalmente. Por isso, estamos orgulhosos com esse marco de mais de US$ 10 bilhões de renda extra alcançados por nossas anfitriãs, que utilizam a plataforma como uma poderosa ferramenta para que possam atuar de forma independente e atingir uma maior capacitação financeira, profissional e social.

Em homenagem ao Dia Internacional da Mulher, comemorado no próximo dia 8 de março, o Airbnb realizou seu primeiro estudo dedicado às mulheres anfitriãs na comunidade. Entre as principais conclusões do relatório estão:

  • As mulheres anfitriãs estão ganhando uma renda significativa em todo o mundo. Em 2016, elas foram responsáveis por uma renda média anual de:

– EUA: US$ 6.600 USD

– Espanha: $ 3,600 USD (3,290 EUR)

– Japão: mais de US$ 10.000 USD (1.255.370 JPY)

– África do Sul: quase US$ 2.000 USD (25.380 ZAR)

– Brasil: US$ 1.750 USD (5.840 Reais).

 

  • No Brasil, as anfitriãs têm o faturamento médio maior do que o do país, que é de R$ 5.500 por ano.
  • Esta renda extra pode ser especialmente poderosa em países com economias em desenvolvimento. No Quênia, a anfitriã comum recebe do Airbnb o suficiente para cobrir mais de um terço da despesa média anual das famílias. Na Índia, ela cobre 31%; e no Marrocos, 20%.
  • Estimamos que mais de 50 mil mulheres em todo o mundo usaram a renda do Airbnb para apoiar o empreendedorismo, como capital de investimento direto para um novo negócio que estão começando.
  • As anfitriãs são líderes na comunidade de compartilhamento de lares: 59% dos Superhosts são mulheres, mais de 60% dos anfitriões do Clube de anfitriões também são mulheres, e elas representaram 61% dos anfitriões que lideraram workshops e aulas durante o Airbnb Open 2016.
  • Um número maior de mulheres, comparado ao de homens, relata que usa a sua renda do Airbnb para ajudar com as despesas da casa. Globalmente, 62% das anfitriãs que são mães solteiras declaram que usam esse dinheiro para gastos domésticos.

O Airbnb também se orgulha de ser associado a várias organizações dedicadas ao apoio, igualdade e capacitação de mulheres ao redor do mundo:

  • A parceria do Airbnb com o Fundo Global para a Mulher apoia viagens para treinamento a mulheres líderes e ativistas de instituições sem fins lucrativos em todo o mundo.
  • Com a Vital Voices, o Airbnb tem apoiado as necessidades de viagem de empresárias de todo o mundo, para que possam ir atrás de oportunidades de acesso ao mercado, networking e desenvolvimento profissional.
  • O Airbnb também está trabalhando com a Associação de Mulheres Trabalhadoras Independentes da Índia (SEWA), um dos maiores sindicatos femininos da Índia, formado para promover oportunidades de subsistência rural das mulheres no país.

Estamos orgulhosos da nossa comunidade global de anfitriãs e empenhados em apoiar as mulheres ao redor do mundo em suas viagens domésticas e no exterior.