Estagiários “detetives” aumentam em 20% faturamento de startup

Empresa aposta em área de Growth e coloca jovens para analisar todos os processos da empresa – de conta de luz a atendimento aos clientes. Na Ecommet, melhorias propostas aumentaram em 20% faturamento da empresa em três meses.

Estagiários não servem apenas para levar a culpa. O espírito curioso dos jovens tem sido usado para acelerar o crescimento das empresas e analisar os processos internos, propondo melhorias – área chamada de Growth (crescimento). Na Ecommet, startup brasileira que facilita e aumenta as vendas de empresas dentro de marketplaces – e fatura R$ 20 milhões por ano – a área é composta por dois estudantes de Engenharia da Poli-USP. Os jovens de 22 anos atuam como “detetives”, monitorando de conta de luz a atendimento ao cliente – buscando aprimorar os processos.

Os “investigadores” têm aval da diretoria para analisar tudo. “Eles apontam as falhas e propõem as soluções. Quando um problema é aprovado para ser tratado, todos os envolvidos se reúnem. As mudanças são analisadas, fiscalizadas e mensuradas”, explica Frederico Flores, CEO da Ecommet. Na startup, eles identificaram gargalos no processo entre a venda e a cobrança e em políticas de cancelamento, por exemplo.  O resultado veio rápido: em três meses, aumento de mais de 20% no faturamento. “Além de ser um trabalho bastante motivador para eles, é um olhar de fora, jovem e cheio de vontade para fazer acontecer”, explica.

Sobre a Ecommet

Aos 21 anos, os jovens Frederico Flores e Fernando Montera Filho tornaram-se um dos maiores vendedores do Mercado Livre. Com a chegada de muitos concorrentes, desistiram do negócio e se reinventaram. Em 2012, criaram uma empresa para ajudar a resolver os problemas que tinham quando eram vendedores. Assim surgiu a Ecommet, uma startup que facilita a gestão e aumenta a conversão de vendas em marketplaces, como o Mercado Livre. Em 2016, vão fechar com faturamento de R$ 20 milhões, o dobro do ano passado. São mais de 1.600 clientes, que transacionam juntos cerca de R$2 bilhões por ano.

O carro-chefe da empresa é a plataforma Becommerce, que integra administração de vendas, marketing e logística, aumentando a produtividade dos lojistas e automatizando os processos de um e-commerce. A ferramenta é capaz de dobrar o faturamento dos clientes em poucos meses, depois da implementação.