E se Pedro Álvares Cabral tivesse um GPS?

Se com a tecnologia da época Cabral já foi capaz de tantas façanhas, imagina com um GPS ao seu dispor?

‘Erro histórico’ da expedição poderia ser previsto e o comandante poderia aproveitar para explorar mais o Novo Mundo e desistir de seguir para as Índias

O ano era 1500 e o cenário bem diferente do que encontramos hoje em dia. Em uma esquadra de caravelas, o comandante Pedro Álvares Cabral estava perdido em alto-mar, mas sem querer demonstrar para sua tripulação que não sabia se estava a caminho das tão almejadas Índias. Só sabia que tinha seguido as orientações do amigo Vasco da Gama para se afastar para oeste da costa africana e fugir dos percalços da região do golfo da Guiné que poderiam complicar a viagem. Mas eis que no dia 21 de abril, no meio daquela imensidão azul, ele começou a ver ervas flutuando no mar e um grupo de aves voando no céu. Seriam aqueles indícios de terra firme? E onde será que eles haviam chegado?

No dia seguinte, ele acordou com o grito “Terra à vista”, do marujo que estava de plantão na madrugada e tinha avistado o cume de um morro alto e redondo, como contam as anotações do escrivão Pero Vaz de Caminha ao rei de Portugal D. Manuel. Todos correram de felicidades e começaram a reorganizar os planos para quando chegassem ao continente.

Jogaram as âncoras no mar e seguiram para desvendar aquela terra, que de tão virgens não parecia ser as sonhadas Índias. Foram recebidos por um grupo de nativos com pinturas nos rostos, ossos atravessados nos lábios e sem pudor aparente. Não pareciam em nada com as descrições feitas dos hindus, mas foram chamados de índios, como uma brincadeira pelo “pequeno” engano. Os navegadores presentes, celebraram uma missa, fincaram uma cruz e fizeram História ao integrar o território brasileiro ao império ultramarino português. Um pouco menos de um mês depois, a expedição partiu de fato para as verdadeiras Índias.

Mas e se ele tivesse um GPS?

Todos os livros de Histórias contam sobre o “erro histórico” de Cabral. No entanto, alguns historiadores acreditam que umas das intenções da viagem do famoso comandante que descobriu o Brasil era chegar às terras já demarcadas pelo Tratado de Tordesilhas e informar o reinado português sobre as riquezas do Novo Mundo descoberto por Cristóvão Colombo anos antes. Mas a verdade é que, se só com a tecnologia da época Cabral já foi capaz de tantas façanhas, imagina só com um GPS ao seu dispor.

Primeiro que todas as incertezas envolvidas na viagem seriam bem menores, inclusive evitando que uma das naus da expedição se perdesse da esquadra e desaparecesse para sempre. Sem contar em toda angústia do comandante e da tripulação, que já saberiam de forma muito mais precisa os dias que durariam a viagem e quais sobressaltos que haveriam no caminho. A possibilidade que a Aquarius Brasil http://www.aquariusbrasil.com.br disponibiliza de aliar o GPS com o celular também possibilitaria ao comandante trocar ideias com os experientes navegadores da época.

Além disso, toda a tecnologias das linhas Quatro Rodas e Discovery Channel com Wi-fi e 3G nos aparelhos deixariam a viagem bem mais animadas. Com o recurso de TV Digital integrado, seria possível assistir aos jogos de futebol contra os rivais espanhóis ou até ouvir as músicas mais populares do século XV.

Ao perceber que tinha em suas mãos os mapas do Brasil, Chile, Argentina e Uruguai (já inclusos em todos os produtos dessas duas linhas), com certeza o navegador desistiria de seguir para as Índias e ficaria pela América do Sul aproveitando todas as riquezas da região.