Como escolher o Datacenter certo para a sua empresa?

Atualmente com diversas soluções disponíveis no mercado voltadas para a tecnologia de datacenters, optar pela melhor escolha na contratação de um serviço tem gerado muitas dúvidas. Quanto preciso investir? Qual a solução ideal para o meu negócio?

Essas e outras informações são essenciais para garantir a assertividade do seu investimento tecnológico. A centralização dos recursos de TI em um datacenter
tornou-se uma solução essencial para qualquer empresa, deixando de ser
exclusividade das grandes corporações. Com a evolução de soluções como Virtualização e Cloud Computing, as modalidade de serviços multiplicaram-se garantindo uma série de benefícios proporcional ao tamanho do seu negócio. Mas, por onde começar?
A maior preocupação para as empresas é tornar seu investimento tecnológico um meio que proporcione rentabilidade, disponibilidades e alta eficiência. Neste contexto, é fundamental o apoio de uma equipe técnica e especializada justamente para realizar o mapeamento e a projeção dos recursos necessários.
Durante o seu planejamento, é importante que você contrua sua estrutura estabelecendo prioridade em aspectos como: Confiabilidade, Disponibilidade e Manutenibilidade.
Essas caracteristicas são determinantes para asssegurar que seu investimento de curto, médio ou longo prazo não torne-se um prejuízo.

Classificando os Datacenters

De acordo com a norma TIA 942 os datacenters são classificados em 4 níveis independentes, conhecida como TIERS (camadas em português), permitindo definir indicadores do quão preparados estão para lidar com problemas e quão sólida são suas infraestruturas. Esta classificação foi consolidada pela organização Uptime Institute.
De acordo com especialistas, esse padrão serve para diferenciar os datacenters conforme sua infraestrutura, baseando em classes crescentes de redundância, que variam sua complexidade perante os processos críticos e sua alta disponibilidade.
Essa classificação leva em conta os seguintes recursos dos sistemas como:

  • Arquitetura
  • Telecomunicações
  • Elétrica
  • Mecânica
Camadas (TIERS)

TIER 1: Data Center básico
TIER 2: Data Center com componentes redundantes
TIER 3: Data Center que permite manutenção sem paradas
TIER 4: Data Center tolerante a falhas.

Desta forma para cada uma das camadas há um conjunto de requisitos obrigatórios que devem ser observados e contemplados nas estruturas dos datacenters. Percebam que a cada nível de camada, os requisitos aumentam, por exemplo um data center de nível 3 além de contemplar os requisitos de sua camada é necessário que ele cumpra com os demais listados nas camadas inferiores, no caso as camadas de nível 1 e nível
2, logo o custo de operação, manutenção torna-se cada vez mais elevados de acordo com os níveis.

Virtualização
Atualmente a tecnologia de virtualização tem ganhado cada vez mais espaço e preferências pelas organizações, devido ao seu desempenho e a redução de custos quando comparado às outras tecnologias existentes. Por meio da virtualização desenvolveu-se o conceito de computação sobre demanda, permitindo o provisionamento de recursos computacionais e de armazenamento, reduzindo drasticamente os custos de um datacenter, trazendo ainda mais performance e estabilidade por demanda.

Benefícios da virtualização
Melhor aproveitamento da infraestrutura existente: ao executar vários serviços em um servidor ou conjunto de máquinas, por exemplo, pode-se aproveitar a capacidade de processamento destes equipamentos o mais próximo possível de sua totalidade.

O parque de máquinas é menor: com o melhor aproveitamento dos recursos já existentes, a necessidade de aquisição de novos equipamentos diminui, assim como os consequentes gastos com instalação, espaço físico, refrigeração, manutenção, consumo de energia, entre outros. Imagine o impacto que esta vantagem pode ter em um datacenter.

Gerenciamento centralizado: dependendo da solução de virtualização utilizada, fica mais fácil monitorar os serviços em execução, já que o seu gerenciamento é feito de maneira centralizada.

Implementação mais rápida: dependendo da aplicação, a virtualização pode permitir sua implementação mais rápida, uma vez que a infraestrutura já está instalada.

Uso de sistemas legados: pode-se manter em uso um sistema legado, isto é, antigo, mas ainda essencial às atividades da companhia, bastando destinar a ele uma máquina virtual compatível com o seu ambiente.

Diversidade de plataformas: pode-se ter uma grande diversidade de plataformas e, assim, realizar testes de desempenho de determinada aplicação em cada uma delas, por exemplo.

Ambiente de testes: é possível avaliar um novo sistema ou uma atualização antes de efetivamente implementá-la, diminuindo significativamente os riscos inerentes a procedimentos do tipo.

Segurança e confiabilidade: como cada máquina virtual funciona de maneira independente das outras, um problema que surgir em uma delas – como uma vulnerabilidade de segurança – não afetará as demais.

Migração e ampliação mais fácil: mudar o serviço do ambiente de virtualização é uma tarefa que pode ser feita rapidamente, assim como a ampliação da infraestrutura. O recurso da virtualização garante o uso adequado e consciente dos recursos, permitindo assim altos desempenhos sem gerar altos custos para manter a tecnologia operando “full time”. Devido essa característica predominante muitas organizações
têm optado por serviços de virtualização no momento da definição do
modelo de negócio.

Qual a solução ideal?
De acordo com o seu investimento é possível encontrar diversas soluções que tragam viabilidade em relação a custo e benefício que se adequem às suas necessidades. Na maioria dos casos devido sua complexidade, a tercerização do serviço para uma empresa especializada neste segmento é uma ótima opção para otimizar seu planejamento e sua implementação.

Por:  Erik Oliveira Via Administradores.com